Como resolver a inquietação, diante da violência doméstica praticada diariamente? Diante de um cenário tão terrível, composto por elevados números de mortes diárias causadas pela Pandemia de Covid 19, como podemos compreender a violência que acontece dentro de tantos lares, onde os entes deveriam encontrar amparo, mas infelizmente convivem com a violência?

No dia de criação deste artigo, um dos crimes mais brutais da história do nosso país foi solucionado, e com isso muitas questões são levantadas: O caso do menino Henry Borel, de 4 anos, que morreu no dia 8 de março, no Rio de Janeiro. Como entender a atrocidade de uma mãe que ao invés de proteger o próprio filho comete tal ato?

É importante lembrar que os traumas sofridos na infância, fazem com que as pessoas “presentifiquem” memórias de situações vividas, e sofram continuamente a mesma dor… Algumas reações nos mostram que o comportamento anormal é causado pela dor traumática. A Psicanálise tem muito a falar sobre isso, e no Curso de Formação em Psicanálise da Associação Brasileira de Psicanálise Insight, os alunos adquirem esse conhecimento.

Por dia no Brasil, cerca de 18 mil crianças são vítimas de violência doméstica. Uma triste realidade que se não for bem observada, trará grande impacto nas caraterísticas da sociedade futura. Traumas não tratados podem trazer consequências profundas e irreversíveis e por isso todo cuidado é necessário.
Crianças expostas à violência na infância possuem uma tendência maior a apresentarem os sintomas de ansiedade, depressão, transtorno de estresse pós-traumático, baixa autoestima, dificuldade para expressar sentimentos, problemas de relação interpessoal, isolamento, e no futuro, podem desenvolver dificuldades de vínculo afetivo com os próprios filhos.

Como identificar os sinais de um abuso físico ou emocional?

A primeira coisa a se observar, é o comportamento da criança. Alterações de humor são normais durante a fase de crescimento da criança, pois ela ainda está entendendo como suas emoções fluem e funcionam. Porém, existem padrões a serem notados:

  • A criança muda abruptamente de humor quando se encontra com determinada pessoa?
  • A criança já demonstrou medo ou receio de ir até a casa de determinada pessoa?
  • A criança já declarou que não gosta de determinada pessoa, mesmo que não soubesse explicar o motivo?

Observando esses padrões, a preocupação pode começar a surgir. Muitas vezes, a criança não entende que está passando por um abuso, e apenas expressa seu medo ou sua dor da maneira que consegue.

Após identificar o possível abuso e cortá-lo pela raiz, é necessário que a criança passe por ajuda profissional. Ainda que pareça impossível, através da terapia é possível vencer os traumas vividos na infância, e para um profissional é recompensador ver a jornada de um paciente que se liberta das travas emocionais e cresce em direção ao sucesso.
Mas em todos os casos, é preciso lutar contra a violência infantil, e caso ocorra é necessário procurar um bom profissional para amenizar os impactos e proporcionar a vítima a possibilidade de seguir uma vida normal com a saúde mental preservada. Seja a violência doméstica infantil, abusos psicológicos ou sexuais, precisam ser imediatamente relatados para a polícia.

Vamos lutar contra a violência infantil! Denuncie discando 100!

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.